quarta-feira, 29 de julho de 2009

Respirar


Respirar e sentir...
Respirar sentindo o pulsar...
Respirando, sentindo e seguindo

terça-feira, 28 de julho de 2009

Bambus


Como bambus,
Difícil quebrar, arqueia-se...
Se me detiver ao vento, arqueio,
Sinto o vento...O ar é pleno.
Ele leva toda aparente “segurança” onde se segurava ate na negação.
Sinto o movimento no aqui-agora.

Mas se me detiver no aparente vento forte, arqueio.
Se me detiver no aparente...
A tridimensão retida nos medos e duvidas.
Nos e “se” e “se”...
Há tanto aparente, e sou o que sou quando Sinto.
Dentro deste momento, não tempo, e sim sentir...Sim, já foi bambu.
Talvez ainda seja, assim minha mente fala.
Mas não é como sinto,
Não estou plantada, plantado esta no meu coração: o som.
E a ele sigo...
( Com pleno respeito aos belos bambus, ao reiki...linguagem figurada)

segunda-feira, 27 de julho de 2009


Agradeço a António Rosa (Grande Coração), Cova do Urso.
A gentil lembrança.
Um mundo novo para mim – blogs e sites.
Mas um mundo: papável, sentido.
E o Selo seguem a todos Amigos dos blogs que sigo

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Percepções: Lá e Cá.


A sintonia que nos une: Amor.
E foi longo o tempo onde as freqüências subiam ou desciam.
Cá estamos diante da ponte: o som da canção do coração
E eis que a percepção do sentir-coração aponta: ali.
Já se respira este “ar”,
Já se sente esta Realidade.
Não “Somos” mais viajantes isolados, o elo dourado, nos une e reúne.
Cá estamos conseguindo: enfim!
Olhando a ponte, respirando o ali....

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Houve Eclipse


Houve eclipse do Sol.
Olhar para o céu, três estrelas brilham...
Brilho Luz!
Eclipse,
Trazendo o perfume de lavanda.
A luz interna se externa?
Há luz,
Há o prometido compromisso.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Ponte que Une


No Coração a permanência, a plenitude,
O Sempre...Agora.
Fora dele a constância ou inconstância.
O mundo "ainda" da dualidade. O Tempo e a Distancia.
Dentro do ritmo, há como ter mais e mais constância.
Chegar-entra na sintonia - som da canção - para assim Estar.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Composição


A composição,
A liga, o que dá união: Amor.
Que gera a Soma do Somos.
Amor: Som da Canção Coração.
Assim entoa a canção.

Cada um a tem em si e a sente.
E assim sendo não há maior, ou melhor.

Sintonia coração-amor: posso alterar a freqüência...
Mas deixaria de senti-la,
E não senti-la é negar o que sou.

terça-feira, 7 de julho de 2009

Leveza do Ser



Leveza do Ser.
(Dá licença Milan Kundera)
(A bailarina)

Entra: Será? Seria?
Em cada um de nós há o próprio sentir de coração.
O som da canção – em cada um de nós.
Onde estão os limites?
Nos jogos...Ainda?
Para alimentar medos ou por poder?
Volta-se ao ponto! Mas não quero o ponto...Segue reticências.
E agora?
Não quero estar nos jogos...Embora tenha consciência que alguns os usam, não quero!
Então entra o: sim ou não. Entra: Será? Seria?
Há peso nisso.
Que tom tem a canção?
Acordes são sentidos-ouvidos, e os que sentem a ouvem em vários tons.
A dualidade rompida!
O estado de Leveza-Paz não depende de onde estou, com quem estou, mas fundamentalmente de como estou.(não sei de quem é esta frase)
E alguns sentem: Isso.
Daí a leveza...

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Sentindo



Saindo do concreto mental...
Sentimento-amor, solto.
Solta-me: simplesmente ser.
Sentindo o sentimento...Vem um gesto conhecido!
Nada detêm ou retêm o sentir...Não há como explicar a mente, ela simplesmente acompanha.
Gesto conhecido... Que tudo unifica no aqui-agora.
Sem conflito...
Simplesmente sentindo.